Joaquim Coelho foi homenageado pela União de Freguesias de Amarante

Antigo presidente da Junta de Freguesia de Gatão é tido como uma referência pela sua postura de humildade na vida pública.

A União de Freguesias de Amarante (S. Gonçalo), Madalena, Cepelos e Gatão, homenageou, no passado dia 27 de fevereiro, Joaquim Coelho, ex-presidente da junta de Gatão durante 27 anos, no dia em que o autarca completou 70 anos de idade. No jantar marcaram presença vários representantes das entidades públicas amarantinas, bem como dezenas de amigos e familiares do sexagenário.

Joaquim Pinheiro, presidente da União das Freguesias de Amarante, ressalva a importância e a necessidade de se proceder a esta homenagem a um homem cujas qualidades considera superar, e em muito, os defeitos que possa ter.

“As homenagens só fazem sentido em vida. Os homenageados devem ter oportunidade de ver reconhecido o seu trabalho e o seu empenho”, disse o autarca da União das Freguesias.

Depois de 40 anos como autarca, divididos entre o executivo da junta de freguesia de Gatão e da união de freguesias, e ainda como membro da Assembleia de Freguesia de Gatão e da união de freguesias, a Joaquim Coelho foram reconhecidas qualidades humanas, políticas e profissionais, que o anfitrião salientou.

“Hoje queremos salientar essencialmente o seu serviço de autarca, função que desempenhou sempre com muito empenho, com dedicação e com um espírito enorme de serviço aos outros. Penso que uma das qualidades que nele sobressai é o amor pela terra onde nasceu, pelo legado cultural que dela recebeu e pelo desejo de ajudar os conterrâneos menos favorecidos. Procurou e procura ser exemplo de cidadania e militância política ao serviço da população que o elegeu”, destacou Joaquim Pinheiro no seu discurso.

Armindo Abreu, antigo presidente da Câmara Municipal de Amarante, elogiou o colega de partido, dizendo que “Joaquim Coelho era um homem de uma peça só”.

“Um homem de caráter, com uma capacidade de liderança muito interessante, sério, um homem com um compromisso indelével em relação ao serviço público, com humildade e capacidade para ouvir os outros de forma a chegar às melhores soluções possíveis. É de toda a justiça que a União de Freguesias lhe faça esta homenagem”, reconheceu Armindo Abreu.

Também o atual autarca de Amarante, José Luís Gaspar, considera o homenageado “uma figura incontornável do poder autárquico em Amarante, alguém que aprendemos a respeitar”.

“Estou aqui enquanto presidente da Câmara, mas também enquanto amigo, pois aprendi a respeitar um homem que sempre defendeu valores e ideais de forma muito responsável. Hoje estão aqui várias pessoas, de várias militâncias, mas estão aqui porque acreditam no homem, que realmente fez um bom trabalho”, disse José Luís Gaspar acrescentando ainda que “os valores da democracia fazem-se com homens como Joaquim Coelho”.

O homenageado, depois de agradecer aos promotores esta iniciativa e partilhar a homenagem com quem com ele trabalhou durante cerca de 40 anos, destacou as relações cordiais que sempre manteve com todos os presidentes de Câmara com quem trabalhou e revelou o que, para si, foi a chave do seu sucesso na sua demanda política de quatro décadas.

“Durante estes 40 anos de vida pública à frente de uma autarquia fui criando um elo de confiança, através do contacto permanente com a população. Nunca fui um presidente acomodado, mas sim exigente e reivindicativo. Elegi sempre o diálogo, o consenso e o respeito em detrimento da arrogância e do radicalismo. Procurei sempre o contacto com as forças vivas da freguesia, como os empresários, a Igreja, as instituições de solidariedade social e associações culturais, recreativas e desportivas, escolas, professores e associação de pais”, frisou Joaquim Coelho.

Com plena consciência das suas características, o antigo autarca reconheceu, sem falsas modéstias, as qualidades que fizeram de si um autarca tão acarinhado.

“Fui sempre um apaziguador, as pessoas tinham total confiança em mim. Fui sempre um presidente humilde, solidário, leal, mas responsável. Nunca precisei de me por em bicos de pés perante o povo só porque era presidente. Fiz tudo pelo povo de Gatão. Saio com orgulho do que fiz, dos amigos que criei e do muito que aprendi”, garantiu.

O homenageado não terminou a sua intervenção sem frisar a sua disponibilidade para com o povo de Gatão e deixar uma palavra a Joaquim Pinheiro, mentor da iniciativa.

“Quero dizer ao povo de Gatão que continuo a estar disponível para tudo o que precisarem de mim. Ao grande amigo presidente Joaquim Pinheiro quero agradecer-lhe esta iniciativa e dizer-lhe que pode contar comigo para tudo o que necessitar de mim”, conclui Joaquim Coelho.

GALERIA